quarta-feira, 25 de março de 2020

De olhos postos no Futuro!

Desta vez decidimos repetir uma monta, que já nos deu resultados excelentes no passado, assim decidimos cobrir uma das nossas melhores fêmeas, a Lys de la Vallée du Pairon, com o Ernesto del Zagnis, desta forma segura sabemos o que temos pela frente, cachorros equilibrados, morfologicamente muito bonitos, estilistas e muito caçadores.
Esperamos agora que a sorte nos acompanhe, neste novo projeto, e que tudo corra pelo melhor.

A imagem pode conter: ar livre

 Clique para ver o Pedigree Virtual da Ninhada
Clique para ver o Pedigree Virtual da Ninhada
Aqui ficam alguns vídeos de cachorros também filhos do Ernesto del Zagnis e da Lys da la Vallée du Pairon, da ninhada que fizemos no passado.





sexta-feira, 20 de março de 2020

FIQUE EM CASA!!!

Os tempos não são fáceis, talvez nenhum de nós tenha alguma vez imaginado passar por esta situação, mais parece um pesadelo, mas acordamos pela manhã desejando que não passe disso mesmo, um pesadelo, mas não, é bem real, é a guerra dos nossos dias, onde se mata sem balas, as armas e os meios para o combate são escassos, e a melhor arma, parece ser a dos mais fracos, escondermos-nos, mas neste caso é a mais eficaz, e temos todos sem excepção, de ter a coragem de ficar em casa e acatar as ordens do SNS.

Portanto, por favor, FIQUEM EM CASA, por si, por mim, por todos nós!


Resultado de imagem para covid 19 fiquem em casa

domingo, 16 de fevereiro de 2020

Treinando em Toledo com Kuba.


Chegámos de Toledo em Espanha, onde fomos uns dias para ver os cachorros Poker e Piaf da Pedra Mua, os 2 filhos do Gadget du Gourg D'enfer x Lys de la Vallée du Pairon, que enviámos semanas antes para iniciar nas Perdizes Bravas, com o Kuba Barahona Souto.
Piaf da Pedra Mua (8 meses)

Partimos com a expectativa do que iríamos encontrar, e regressámos com a certeza do que será o futuro. Assim que nasceram, tinha ficado combinado com o Kuba, que seria ele a treinar os cachorros, pediu que os enviássemos "virgens" para ver como era a sua evolução desde o ponto de inicio, sem nenhuma outra intervenção, e assim o fizemos, entregámos os cachorros sem nunca terem visto caça, apenas os tínhamos soltado 2 vezes no campo, nada sabiam das lides cinegéticas, e em 15 dias tínhamos os 2 cachorros a caçar, a andar bastante e a parar perdizes bravas, como dizia o Kuba, entregou-nos os cachorros com uma época a mais, e é a realidade, dada a evolução que tiveram em duas semanas de trabalho.
Poker da Pedra Mua
Poker e Piaf
De salientar a forma como o Kuba trabalha os cães, o mais natural possível, sem pressão ou qualquer castigo, os cães são felizes, e se eles estão felizes, nós estamos felizes, esta é a nossa filosofia.
É indescritível como os cães em tão pouco tempo ganham uma ligação e um afecto tão grande a ele, o que vimos e o que aprendemos nestes dias, não tem preço.    
Vimos muitos bons Cães, fizemos alguns filmes do Poker e da Piaf, mas ficaram muitos mais lances que não conseguimos captar, lances que pela sua enorme beleza, não nos saem da cabeça.
Poker da Pedra Mua (8 meses)
No geral estamos contentíssimos com os cachorros, nesta idade já estão muito bem e adiantados no ensino, já fazem bonitos lances com as Perdizes Bravas, e inclusivamente chegaram a parar coelhos e lebres, galopam com estilo Setter e de forma independente dos outros cães, caçam com vontade, com paixão, com alegria, e já a saber ao que andam, bons andamentos e acima de tudo muito carácter, têm qualidades para grandes voos, agora é dar continuidade, passo a passo sem saltar patamares, e chegaremos lá.

Um especial agradecimento ao Kuba, pela forma como nos recebeu, pela Amizade, pela simpatia, por todos os ensinamentos, e pelas dicas que nos deu, que serão preciosas no futuro, mas sobretudo um agradecimento, pela forma profissional como trabalhou todos os cães da carrinha, onde incluímos os nossos, Poker e a Piaf, que definitivamente, regressaram a Portugal totalmente diferentes.
Gracias Kuba!
Piaf da Pedra Mua                         Poker e Piaf  a galope

Poker da Pedra Mua

Poker da Pedra Mua

Poker da Pedra Mua


Piaf da Pedra Mua


Poker e Piaf da Pedra Mua

Piaf da Pedra Mua

Piaf da Pedra Mua

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020

Don VV x Noche du Vale de Ronceveaux


Há algum tempo que tínhamos em mente a expectativa de realizar uma ultima monta do Don, a vontade de ficarmos com descendência dele e continuar o seu legado era muita, com a aquisição em França da Noche du Vale de Ronceveaux, essa vontade tomou contornos mais sérios, e o pensamento tornou-se uma realidade, pois consideramos que a Noche, pelas suas características morfológicas, cinegéticas e de carácter, é a fêmea ideal para esta monta, e decidimos avançar.



Neste momento a gestação da Noche está confirmada, em meados do próximo mês de Março aí estão os mais novos Pedra Mua, esperamos agora toda a sorte do mundo neste capitulo, pois é a ultima oportunidade. 
Quanto ao resultado, estamos plenamente convictos que será magnifico, pois o Don com diversas fêmeas, deu-nos sempre grandes exemplares, quer para caça, quer para competição, quer a nível de carácter, quer de morfologia.  
  

          Noche du Vale de Ronceveaux                             Don VV

terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

Polivalência com nome próprio.

Parece que foi ontem que me nasceu nas mãos este filho do Don, herdando do Pai ao Paixão e carácter, desde cedo que se destacava nas brincadeiras com os irmãos, sendo o nome Ícone, propositadamente escolhido para um cão que viria a realizar grandes feitos, e que em adulto faria jus ao nome próprio e ao afixo Pedra Mua que transporta.
Depois de obter grandes resultados em Portugal e Espanha, nas disciplinas de Primavera e em Galinholas, de vencer em Beleza como o Melhor Setter Inglês, e disputar o circuito de montanha, e o Campeonato da Europa de Galinholas na Grécia, Icone da Pedra Mua, faz agora resultados na disciplina Máxima, Grande Busca, mostrando o seu enorme carácter e polivalência, estes feitos estão apenas ao alcance de uma mão cheia de exemplares a nível Europeu. 
É um enorme orgulho para o canil este exemplar transportar o nosso Afixo!

Parabéns ao Icone da Pedra Mua e ao seu proprietário, pelo esforço e dedicação.  


domingo, 9 de fevereiro de 2020

E assim termina.


Hoje terminei a época em terrenos desconhecidos, embora já caçados por outros, para mim eram uma novidade, dá-me sempre aquela sensação boa da aventura do desconhecido, a Naja apesar ter feito uma jornada longa ontem, hoje voltou a ser convocada, e esteve ao seu nível, parando-me 2 Galinholas, uma delas sem hipótese de tiro, a outra, parou-ma duas vezes, em terrenos muito duros e difíceis, onde no primeiro lance a errei bem errada, e no segundo, achei que também a tinha errado, mas uns 100 metros à frente a Naja volta a dar com ela, viva, mas já não voava, nem quis acreditar, acabando por ser cobrada pela cadela, dando-me assim a oportunidade de cobrar a ultima da época, aquele pássaro que dou mais significado que a primeira da época, pois essa, sei que acabará por aparecer, já a ultima, sabemos que não haverá um próximo dia.

A Naja ainda me parou duas vezes um Faisão macho, que naturalmente não atirei, é desta maneira que respeito quem me abre as portas para eu caçar.

Esta não foi a minha melhor época, no entanto está longe de ter sido a pior, foi uma época regular em termos de abates, com lances magníficos, momentos únicos, ficam na memória os lances dos Cães, a sua Paixão e entrega, pois sem eles nada disto era possível, e não tinha a mesma magia.

Um agradecimento especial à minha família, à minha Mulher e às minhas filhas pelo apoio incondicional, ao meu irmão que me acompanhou em tantas jornadas e viagens, ao meu amigo Frederico, pelos convites para caçar, e pela nobreza da sua atitude, pois tem mais valor quem oferece uma Galinhola viva, do que 20 mortas!

E não poderia deixar de referir o grande apoio, da Arcea e Dogtrace, fantástico GPS, que me permitiu desfrutar dos cães, em absoluto e sem sobressaltos, nem receio de se perderem, também à Royal Canin, e à sua Ração Energy 4800, que faz milagres na recuperação dos Cães entre jornadas, sem nunca se irem a baixo, e à Benisport, pelo material Top, que me permitiu caçar com todo o conforto nas condições mais duras e nas muitas e muitas horas no campo.


domingo, 26 de janeiro de 2020

Fim de Semana dos Pedra Mua!

Este fim de semana, somaram-se de forma repetida, os telefonemas, mensagens e partilhas nas redes sociais, de Setters Pedra Mua, a fazer as maravilhas nas Galinholas, de lances magníficos a cupos, viu-se de tudo um pouco!
Como criador, isto dá-me um especial prazer, pois é assim que vimos reflectido o nosso trabalho, agradeço aos proprietários destes exemplares o seu feedback, mas sobretudo, agradeço o seu empenho e dedicação e o investimento no ensino dos seus cães, pois esse trabalho, tem tanta importância como o do criador, e agora podem desfrutar dos seus exemplares em toda a sua plenitude, obrigado a todos eles.

Hoje ainda a quente, escrevo estas linhas, para relatar uma jornada fantástica com a Naja, que esteve tão melhor que eu, 3 levantes a galinholas, e um lance magnifico com perdizes bravas, em que eu apenas consegui abater uma Galinhola, pelo meio, ainda 2 lebres paradas e codornizes, estou cada vez mais apaixonado por esta cadela, que é cada vez mais uma parte de mim.

Obrigado Naja!





domingo, 12 de janeiro de 2020

Parece fácil.

Visualizando apenas as imagens, pode até parecer fácil, mas longe disso, é pura ilusão, esta jornada por exemplo, durou 4 horas e meia, com temperaturas a rondar os -2ºC logo pela manhã, e não passando dos 7º ou 8ºC, o terreno está seco, o tojo duro, parece arame farpado, e os 17,5 km percorridos não estão espelhados no filme, nem tão pouco a dedicação e a entrega da cadela, para fazer uma jornada destas sempre a galope, mantendo a concentração sempre a um nível elevado, que permite encontrar e bloquear uma Galinhola numa zona fechada, sem vento e já na segunda metade da jornada.
Tenho um orgulho enorme nos meus cães, no que fazem e no que me dão, mas também tenho orgulho pela forma como caço às Galinholas, a forma mais pura e difícil, sozinho só com um cão, um jogo de equipa, onde confiamos um no outro, aqui não há galinholas com todas as saídas possíveis bloqueadas, seja por vários cães, seja por várias espingardas onde um pássaro que levanta é um pássaro morto, alguns chegam a levar fogo de 3 armas em simultâneo. Caço de forma solitária, a equipa tem de estar afinada e a funcionar bem, o cão tem de ser encontrador e seguro, o caçador, tem de ter a habilidade de o saber conduzir e de se saber colocar, abatem-se menos pássaros, mas cada um deles tem um sabor autentico, existe forma mais pura de caçar respeitando as Galinholas? Eu não conheço!



    

segunda-feira, 6 de janeiro de 2020

Naja faz a diferença!

Há muito que tenho esta convicção, que os bons cães de Galinholas, veem-se nos dias de poucos pássaros, foi isso mesmo que aconteceu nesta jornada com a Naja, a mostrar-se determinante no sucesso da mesma.
Não é fácil uma cadela manter-se concentrada numa jornada de 5 horas, em terrenos duríssimos, onde tudo o que existe naqueles terrenos são apenas Galinholas, 5 horas de busca incessável a galope, no meio de tojo em terrenos fechados, onde não sopra uma brisa, só por si já é desgastante e complicado o suficiente mas, se somarmos a isto, a falta de Galinholas, torna tudo mais difícil, uma cadela ter a calma e discernimento para cansada, trabalhar uma Galinhola, depois de várias horas sem ver nada, não está ao alcance de qualquer Cão.
A Naja fez-me várias mostras e guias, sempre sem vermos o pássaro a sair, no entanto pela atitude da cadela, sabia que só poderia ser uma Galinholas, muito difícil e andarilha, que a Naja confirmava depois com uma mostra espectacular, num terreno ainda mais fechado, dando-ma de bandeja, e tornando uma jornada dura e desgastante, numa jornada inesquecível, provando que, quem procura, encontra, os Grandes Cães, “inventam” Galinholas e fazem a diferença!  


sexta-feira, 3 de janeiro de 2020

Noticias dos mais novos.

Aos poucos as fotos e os filmes dos cachorros Pedra Mua mais novos vão chegando, assim os sucessivos telefonemas a relatar os lances e feitos dos cachorros, bem como os agradecimentos pela qualidade dos exemplares, agora que começam a dar os primeiros passos nas lides cinegéticas, são neste momento, grande motivo de orgulho para quem caça com eles.

Felizmente todos eles, estão em mãos de Amigos, que lhes dão os melhores cuidados, e têm pelos seus exemplares Pedra Mua, verdadeiro orgulho e Paixão, eu como criador, fico contente não só com o desempenho dos cachorros, mas acima de tudo pelo feedback, assim como, pela forma como tratam os seus companheiros.


Playboy da Pedra Mua (Portugal) e Paganni da Pedra Mua (Espanha)
com as primeiras Galinholas (12 meses)

 

Uma belíssima Pointer Neta do Faruck, e  Nora e Nestor da Pedra Mua (2 anos)
2 verdadeiras Máquinas de encontrar Galinholas.

Persa da Pedra Mua 12 semanas

Pepper da Pedra Mua 12 semanas

Panzer da Pedra Mua 12 semanas

quinta-feira, 2 de janeiro de 2020

Adeus 2019

Não tenho por hábito caçar às Perdizes, muito menos em altura de Galinholas, tampouco caçando em linha, no entanto o convite surgiu de um grande Amigo, e não podia fazer a desfeita.
A viagem começava cedo, pois a distância não era pequena e tínhamos combinado o encontro cedo, no caminho o insólito, algo incomum, apesar de ter visto muitas galinholas a passar na hora do lusco-fusco, naqueles 5 minutos mágicos, nos muitos Km realizados de noite nas viagens para a caça, esta situação é única e talvez não se repita, pois avistei 6 Galinholas juntas a passar voando pela autoestrada, 3 já tinha visto, mas 6 é algo novo, que me deixou maravilhado, e deu outro ânimo e tema de conversa para o resto da viagem.
O couto no coração do Alentejo é lindíssimo, terreno dobrado com montado de sobreiros e muitas estevas, e livre de caça mansa, onde uns bons bandos de Perdizes Bravas, as verdadeiras Rainhas Lusas, ditam as regras.
Confesso que as expectativas que levava comigo não eram risonhas, sei que não é fácil Caçar Perdizes Bravas, e mais difícil se torna quando não conhecemos os terrenos, aumentando a dificuldade quando levamos uma cadela nova, que nunca caçou às Perdizes, mas a aposta recaia na Naja.
Aposta esta que se revelou a mais acertada, pois a Naja esteve bastante bem, parando codornizes, que nesta altura estão no meio das estevas, e quando saem fazem-nos tremer o coração, e segurar o gatilho à ultima da hora, e parou 2 bandos de Perdizes, na primeira vez, uma guia magnifica, cheia de intenção e autoridade, saíram monte a baixo, acabando por errar a que atirei, na segunda vez já perto dos carros e ao cair do pano, parou um bando de cerca de 12 Perdizes, onde uma delas saiu para trás, abatida ao primeiro tiro, mandei cobrar e tudo de repente fazia sentido, a jornada, o esforço e sobretudo a aposta numa cadela tão novinha, que fez com as Perdizes Bravas, aquilo que muitos cães velhos não fazem, aquilo que muitos caçadores consideram impossível, os cães pararem as Perdizes Bravas a tiro.

Assim fechei o ano de 2019, apenas com uma perdiz, pode até parecer presunção, mas pelo lance que foi, tem um valor incalculável e esta vale mais do que 10 das de farinha, Obrigado Naja!