segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Veron no Eucaliptal.

Mais uma bela Jornada protagonizada pelo Veron, terrenos novos onde nunca antes tínhamos caçado, não sabia bem o que esperar, desconhecia por completo quer se o terreno era bom e se tinha Galinholas, já que Eucaliptais são muito insertos, pois podem ser realmente bons terrenos de Galinholas como podem ser muito maus, já que esta árvore seca os solos, deixa-os pobres até de vermes e minhocas, alimentação principal da Galinhola.
Inicialmente começamos numa mancha despida de mato, muito fraca, apenas ramos de eucalipto no chão de antigos desmates, tapavam o solo despido, não gostava do que via mas, felizmente pouco mais à frente as coisas mudaram radicalmente, pinheirocas mansas, curtinhas, nascidas espontaneamente povoavam vorazmente o terreno, gostava do que via, rapidamente o Veron entra em mostra, acerco-me do cão e vejo-o correr, julguei que fosse uma lebre, mas o companheiro depressa me diz, Galinhola, tinha-se furtado sem que eu sequer a visse.
Pouco depois uma paragem e o primeiro tiro, não sabia se ela tinha caído, umas penas no ar denunciavam um abate, o cão tardava em encontrar o pássaro que não sabia se caíra, foram os cães do companheiro a cobra-la, felizmente ficou, fiquei aliviado.

 
Pouco depois um tiro do Carlos e o Veron a fazer um cobro magnífico sem ver o pássaro, o lance ou o tiro, estávamos quites no que toca aos cobros e aos abates.
Mais à frente uma nova paragem, um abate fácil a descoberto, um cobro facílimo e a segunda da manhã. O Carlos não desarmava, errava outra e abatia mais uma, novamente cobrada pelo Veron.
Enfim mais uma bela manhã, terrenos bonitos a meu gosto, pois gosto muito de caçar em eucaliptais, o Veron novamente em grande nível, pena dois dias depois ter de ser hospitalizado de urgência com febre da carraça, quando não esperava, creio a sua época estar terminada.

 

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Dia de Natal e a maldição dos Dobles.

Dia de Natal,
Por força da época festiva e do habitual almoço de família a volta teria de ser curtinha, ainda de madrugada saio de casa com a vontade de regressar com uma galinhola, poucas vezes me dá tanto prazer chegar a casa com um pássaro, o ambiente, a época, a família, tudo dá mais intensidade ao momento.
Desta vez levei o Don e o Faruck, o Don foi o primeiro a sair, numa primeira volta onde se sentiu a ausência de pássaros, na segunda volta e logo no início da mancha, o Don entra em mostra, o beeper tocava e tocava incessantemente, eu sabia que ia sair um pássaro, mas também sabia que um sobreiro o numero 6, me ia dar cabo do lance, sabia que se ia meter à frente, o beeper continuava a tocar, tive de ser eu a meter o pássaro no ar, mas como previsto o sobreiro numero 6 meteu-se mesmo à frente, encobrindo a galinhola, saindo de seguida outra, que também erro, a minha maldição dos dobles às galinholas, mais uma vez nenhuma cai.
 
No regresso o Don fica em mostra, a não mais de 30 metros do primeiro levante, uma breve guia e sai o pássaro abatido ao primeiro tiro, era a segunda que saiu minutos antes, dois lances fantásticos que ficam na memória.
Depois uma pequena volta com o Faruck, um pássaro bem parado, a sair largo e errado, foi pena.
Esta foi uma típica manhã de natal, onde os cães me deram boas prendas que guardarei para sempre.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Notícias PedraMua

Agosto 2018 

Os mais novos Pedra Mua já Nasceram.


Aqui estão eles, os mais novos Pedra Mua, filhos do Ernesto del Zagnis x Iris de la Vallée du Pairon, pelos magníficos filhos que um e outro já nos deram, a confiança nesta monta é total, quer seja para a caça, quer seja para a competição, daqui sairão seguramente, Setter equilibrados, muito estilistas e acima de tudo muito caçadores, assim a sorte nos acompanhe, agora é vê-los crescer.


clique na imagem para ver o Pedigree



Julho 2018

Cachorros ainda disponíveis.


Cachorros com 4 semanas, filhos de Ernesto del Zagnis x Lys de la Vallée du Pairon, grandes linhas de caça e competição, uma genética muito importante com vários campeões internacionais no seu Pedigree.

 Ophra da Perda Mua (Fêmea)                    Ottelo da Perda Mua (Macho)

 Opium da Perda Mua (Macho)                Osborne da Perda Mua (Macho)

 Ozzi da Perda Mua (Fêmea)                 Oakley da Perda Mua (Macho)

Onassis da Perda Mua (Macho)                Odin da Perda Mua (Macho)

Clique na imagem para ver o Pedigree.
________________________________________________

04 de Março 2018
Icone da Pedra Mua vencedor da prova de Primavera de Lanheses. 

Depois das boas prestações nas Provas de Primavera em Toledo Espanha, Icone da Pedra Mua, vence em Portugal, na prova de Primavera de Lanheses.
Parabéns ao proprietário e condutor.

1°EXC-CACT - Icone da Pedra Mua -João Paulo Correia
2°EXC - Iker de Rossulte - João Paulo Correia
3°EXC - Zippo Flying Free - Hugo Fernandes
4°EXC - Semeghini Raja - Sérgio Afonso
5°MB - Carmelo cora Raya - Rui Pinto
6°MB - Jihad de Rossulte - João Paulo Correia
7°MB - Ronda de Solariega - Hugo Fernandes



sábado, 22 de dezembro de 2012

Don o Fenómeno!


A manhã ao contrário do que tenho vivido nos últimos tempos amanhecia quente e seca, água, muita no chão e nas estevas completamente encharcadas. Não pude deixar de reparar que o clima anda estranho, as estevas apressadas já vão uma ou outra abrindo em flor, calma pensei eu, deixem-me disfrutar e depois lá têm todo o tempo do mundo para colorirem os campos.
Saí com o Don, como sempre de chocalho e beeper, sem rumo certo pois não sabia de nenhuma galinhola para visitar, pois bem, o melhor nestes casos é mesmo caçar em terrenos não pisados, foi o que fiz!
O Don, cabeço a cima, cabeço a baixo num ritmo forte, os terrenos molhados e muito empapados dificultavam-me o andamento mas parecia que ao Don nada o impedia de galopar.
Numa zona de pouco mato e como é típico no Don, deita-se de repente interrompendo o seu galope de forma abrupta, acerco-me do cão, ele guia e fica novamente em mostra, sai a dar ao rabo indicando que ali estivera algo há pouco tempo. Segue então para a esquerda, eu, olho à direita e no limite da mancha vejo 2 chaparros com uns matos pelo meio, chamo o cão que, rapidamente faz calar o chocalho e cantar o beeper, os quartos traseiros em terra, cabeça ao alto, a boca abria e fechava sorvendo o perfume da Dama tão compassadamente que mais parecia um relógio suíço, lindíssimo, uma imagem que me irá vaguear por muitos anos na minha mente, meti-me de frente ao cão, os chaparros ficavam um à direita outro à esquerda, o beeper não se calava, até que o pássaro sai, não estava a mais de metro e meio do cão, tentava sair para cima mas embrulhava-se no mato, eu esperava que ela se desenvencilhasse dos matos que a agarravam tentando serem eles senhores do lance, lá sai e roda para cima do cão já a tapar-se com o sobreiro da direita atiro e ela tomba, o cobro e a adrenalina lá em cima, tremia, confesso que tremia no final do lance, largos segundos não sei precisar quantos, de pura adrenalina.
Pouco mais à frente numa zona de estevas ouço o beeper tocar, rapidamente corro a servir o cão, sem grande espera a galinhola sai sem me deixar colocar bem, erro-a no primeiro deixando por instantes de a ver, num dos seus zigue zagues destapa-se por momentos, mostrando-se e aí consigo atirar, sem saber se a tinha abatido mando o cão cobrar, pouco depois aí vem o Don com ela ainda viva, um sorriso rasgado uma festa ao cão e mais um pássaro na bolsa.
Continuo em busca de novos terrenos, numa mancha pequena vejo uma zona com muitas condições, de fora da mancha o Don pára virado para dentro, acerco-me do cão, posiciono-me e nada, dou um passo ao lado e piso inadvertidamente uma garrafa plástica velha e seca, o barulho é enorme, o cão desvia o olhar sem mexer a cabeça, mas não sai nada, até que um pá pá pá, aí estava mais uma a encastelar, dei um passo atrás para a abater quando ela subisse acima das árvores e se mostrasse, engano meu, como são inteligentes estes pássaros, ela subiu arvores acima, sempre encoberta e em vez de se mostrar acima da copa das arvores, rodou e desceu novamente afastando-se sem sequer ser atirada, foi mais forte, muito mais, o Don ainda a parou mais duas vezes mas aí já ia de levante e nunca consegui meter-lhe a vista em cima, lá fica mais uma para a próxima.
Esta foi mais uma emocionante jornada, caçar com o Don é algo de sobrenatural, as sensações vividas são quase sexuais de tão intensas que são, a beleza e subtileza nos lances são inacreditáveis, apenas os pequenos filmes que tentarei fazer darão cor e credibilidade às minhas palavras que, de outra forma e para quem não me conhece podem não passar de histórias fruto da mente de um louco alucinado pela caça e apaixonado pelos seus cães.
A caça às Galinholas é algo muito íntimo, cada lance vivido é compartilhado tantas vezes apenas com o nosso cão, cada lance merece e carece de uma posterior introspecção e reavaliação, cada lance é revivido vezes sem conta, cada pássaro errado volta para nos assombrar a mente e assolar com pensamentos maquiavélicos. Quantas vezes pensaremos nele, quantas vezes reviveremos o lance, quantas estratégias maquinaremos de forma a tentar numa futura jornada dar-lhe a volta e levar a melhor naquele embate que ainda estou para perceber se é ou não equilibrado.

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Circuito Galinhola de Ouro


A Associação Nacional de Caçadores de Galinholas vai mais uma vez realizar o Circuito ANCG.
O Circuito ANCG 2012/2013 é composto por três provas sobre galinholas sem morte.


24 Novembro 2012 Field Trial sobre Galinhola de Grândola (CACT)
Grândola (ANULADA)

15 de Dezembro de 2012
Field Trial do Oural (CACT)
Ponte da Barca
Concentração:
7:00 - Lugar de Porto Bom, Boivães
Ponte da Barca
GPS: 41º44'50''N;8º28'56''O


15 de Dezembro de 2012
Field Trial da Carapuça (CACIT)
Arcos de Valdevez
 
Inscrições e informações:
ancgcinotecnica@gmail.com
962 205 965

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Clochette d'Or

Clochette d'Or é um circuito francês constituído por 19 provas disputadas em 20 dias que dá pelo nome de Clochette D’or (Chocalho de Ouro) e que no final vence melhor cão no conjunto das várias provas.
Nesta competição em particular, a mais importante e emblemática das provas sobre Galinholas, a classificação é atribuída por um painel de 3 juízes, constituído por 1 Juiz qualificado, 1 treinador profissional e 1 treinador amador, que avaliam os exemplares conforme a sua capacidade de compreender o terreno e os bosques onde a prova se desenrola, a busca, o movimento do exemplar e naturalmente, o ponto (a mostra sobre a Galinhola).

Esta lista que se segue indica os exemplares consagrados neste troféu, e é talvez a par com uma lista idêntica para a Grande Busca, o melhor indicador dos reprodutores conceituados, é a pensar nesta lista que trabalhamos, e procuramos no futuro conseguir que um exemplar Pedra Mua conste nela, é um sonho que, quem sabe, com empenho, seriedade e trabalho, se torne realidade.

   Clochette d'Or (Chocalho de Ouro)

2017 Idole de la Fougère Aigle
2016 Gadget du Gourg d'Enfer
2015 Eltxar de Sierra Bdaya
2014 Gwelloc'h du Pont Bihan (pointer)
2013 Cooper de la Joux de la Bécasse
2012
2011 Boss du Moulin d'Onyx (pointer)
2011 Colette des Forêts CoréziennesBasile du Clos de la Capitainerie (SGM)As de la Fougère Aigle
2010 Boss du Moulin d'Onyx (pointer)
2009 Urgo de Béhigo
2008 Ulane des Forêts Corréziennes
2007 Rapatapouf de Forêts Corréziennes
2006 Rex de la Source aux Bécasses (pointer)
2005 Porto
2004 Saïda de l'Echo de la Forêt
2003 Atos
2002 Oural de l'Echo de la Forêt

 Clochette d'Argent (Chocalho de Prata)

2017 Iole des Forêts Corréziennes
2016 Dendaberri Obama
2015 Elite des Forêts Corréziennes
2014 Diana des Forêts Corréziennes
2013 Italia
2012 Capone de la Fougère Aigle
2011 Vigo du Lori des Pignoles
2010 Akim du Haut de Coublucq
2009 Urgo de Béhigo
2008 Aven de l'Echo de la Forêt
2007 Unaï de Castel-Nevez
2006 Rhandal de l'Echo de la Forêt
2005 Rhades de la Passée de l'Eperon
2004 Porto
2003 Atos
2002 Odède de la Source des Bords de Loire
2001 Magic du Dôme Etoile
2000 Magic du Dôme Etoile
1999 Jodel
1998 Hulck du Val d'Autan
1997 Hulck du Val d'Autan
1996 Isard des Rives du Haou
1995 Falco de Rack Land
1994 Eliot de la Croix Gentilhomme
1993 Eliot de la Croix Gentilhomme
1991 Aron de la Lande de Mouchon
1992 Chippy de Tiercim
1990 Cix de Lage de Brana
1989 Umea du Cap d'Antibes
1988 Ulphen
1987 Radjah de Roc Mignon
1986 Remus du Patton
1985 Ulphen
1984 Remus du Patton
1983 Oriflamme de Riade

Clochette de Bronze (Chocalho de Bronze)


Informação completa em: www.setter-anglais.fr