sábado, 31 de dezembro de 2016

Últimas de 2016.

O último dia de 2016 acordava frio, pela primeira vez esta época com temperaturas abaixo de 0ºC, no entanto tinha a consciência de que era frio de pouca dura, pois os dias estão "quentes" e assim que o Sol levanta mais um pouco a temperatura aquece, os terrenos secos não ajudam ao acto e rebentam com as patas aos cães, obrigando-me a trocar de cão a meio da jornada a fim de os manter operacionais até o final da época.
Comecei com o Don, parou várias Galinholas onde não consegui fazer um único tiro, ou saiam tapadíssimas, ou saiam largas, ou saiam antes de servir o cão, a coisa não estava fácil, valeu uma perdiz das que nasceram com a verdade no corpo e o campo na alma, bem parada pelo Don, sinceramente julguei que fosse uma Galinhola, pois o beeper tocou várias vezes, até que saiu uma Perdiz, abatida ao primeiro tiro, foi a única peça que o Don cobrou esta manhã!
Era a vez da minha menina, com Galinholas emprestadas pelo Don, daquelas que até ali só ele as tinha cheirado, a Íris não se fez de rogada e rapidamente pára a primeira, literalmente no pasto ao lado dos eucaliptos, onde a tinha visto da ultima vez com o Don, a cadela a guiar sempre com ela no nariz, mostras e guias, parecia que ia a trabalhar uma codorniz, até que a Galinhola levanta no final do pasto, facilmente abatida, e aí estava a primeira do dia.
Fomos então ver de outra, uma daquelas fantasmas, sei que era uma Galinhola porque conheço o cão, mas nunca a vi, desta vez entrei na mancha ao contrário, uma velha técnica que por vezes as baralha, a Íris fica rapidamente em mostra, ajeito-me e a galinhola sai já meio nas minhas costas, mas ainda assim tombou no primeiro tiro, e tinha-mos cobrado a segunda, estava radiante, a cadela tinha resolvido as coisas e transformado uma primeira parte difícil numa segunda magnifica mas, parecia que ela não estava satisfeita, e foi parar uma outra no topo de um cabeço, depois foi sempre a guiar cabeço a baixo até ao vale, aí fica em mostra, eu num caminho a meia encosta deixo-me estar e vejo a Galinhola levantar para cima e curiosamente a "cantar" ou melhor, a fazer um barulho, algo que há muitos anos já me tinha acontecido, passa a não mais de 10 metros de mim e é abatida, agora sim, dava a jornada por terminada, e que jornada, a Íris queria mais, mas era hora de volver ao carro pois ainda tínhamos muitos Km pela frente e uma noite de Reveillon.

A última jornada da época não poderia ser mais emocionante, que 2017 nos traga saúde para continuarmos em busca das nossas tão Amadas Galinholas.

Bom Ano de 2017 para Todos!



Sem comentários: