sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Curiosidades do pássaro.

Envolta em mitos como nenhuma outra espécie cinegética, a Galinhola há séculos que vem sendo idolatrada e desejada, de Reis que reservavam só para si o prazer de as caçar e de as degustar, de Condes do século passado que faziam dela a sua caça por excelência, de meros caçadores apaixonados e dedicados, artistas que vêem nela a mais bela musa inspiradora digna de belas obras, a investigadores e cientistas que juntamente com apaixonados caçadores, as estudam de uma forma incisiva para que esta maravilhosa ave não seja num futuro próximo alvo de um grave declínio que ponha em primeiro lugar em perigo a continuidade da espécie, mas também que ponha em causa a sua exploração cinegética.
Esta tradição secular de caça ás Galinholas e talvez pela sua mística ser tão grande, deu azo a historias e mitos, curiosidades da ave, que muitas vezes estão tão difundidas que não somos capazes de separar a realidade do mito.

O canto Nupcial da Galinhola

Galinholas cirurgiãs.
Este é o nome que mais se adequa a esta situação, porquê então este nome, certamente não é porque a ave se passeia de branco nos corredores de um Hospital, nem muito menos qual Andorinha faz os ninhos nos beirais dos mesmos, nem tampouco porque o seu bico comprido é afiado fazendo lembrar um bisturi, apenas pelo facto bizarro de se curarem a si próprias. Já foram capturadas Galinholas com uma espécie de curativo nos membros, uma mistura feita de lama, fezes com saliva e fibras naturais, que a ave utiliza para envolver as patas feridas de forma a parar a hemorragia, ou depois de seco fazendo um papel idêntico ao do gesso nas fracturas dos humanos. São estes factos curiosos que ajudam a ave a construir o seu próprio mito, talvez nem seja necessária a imaginação humana para o fazer, muitos dos factos vão além da curiosidade e da imaginação do mais atrevido dos sonhadores.

Salto de Peixe.Uma manobra evasiva sobejamente conhecido pelos caçadores de Galinholas e, demasiado insólito para os menos experientes nesta caça, o salto de peixe deixa todos pasmados, os que pela primeira vez observam este comportamento.
O nome deve-se ao facto da ave, por vezes dar um salto parecido a um peixe quando salta fora de água. Apertadas pelos cães por vezes as Galinholas dão um salto perto do cão de forma a despistar o nosso companheiro na busca, pousando a uns escassos metros do cão, com caçadores e cães experientes esta manobra não serve de muito.


O que lhe chamar!?
Não sei se tem um nome, mas um facto mais que certo são as capacidades teatrais da ave, quantos de nós que seguimos a dama de arma em punho, não nos deparamos com outra das suas manobras, que nos engana de uma forma subtil e eficaz.
Esta manobra inteligente passa-se da seguinte forma: Quando levantada e errada pelo caçador, a ave manda-se literalmente para o chão como se tivesse sido chumbada, a sua actuação é tão real e digna de um Óscar, que engana até o mais experientes dos caçadores. Com esta manobra a galinhola dá-nos a entender que foi abatida, mas o que é certo é que ao mandar o cão cobrar a ave não se encontra lá, tendo já saído a pés despistando o nosso cão, por vezes é depois levantada novamente mais á frente levantando e voando incólume provando que não lhe tocamos no outro disparo.

Um cinismo que por vezes lhe salva a vida e nos deixa a nós caçadores atónitos, procurando por vezes durante muito tempo cobrar uma ave que não está lá, são estes pormenores que nos dão toda a emoção desta disciplina.

15 comentários:

Rui Magro disse...

Realmente essa manobra, é deveras "enervante" tanto para nós caçadores como para os cães, e provoca um certo "mau estar " entre nós e os nossos fieis companheiros. Qual de nós não saiu defraudado com o seu fiel companheiro na tentativa de um cobro (para nós de relativa facilidade - até vimos o passaro cair)quando na realidade não passou de mais um simulacro.
E lá estamos nós a apelidar injustamente o nosso cão de nariz de pau.
É só mais um dos muitos misticismos da "Bela Dama".

Jorge Silva disse...

Rui, já por 2 vezes me aconteceu isto, elas mandarem-se para o chão dando a nítida sensação que foram chumbadas, mas afinal não, faz parte...

LUIS NOVAIS disse...

Amigo Jorge,

Mais uma vez parabéns pelo que escreve.
Já foi este ano a elas? Eu comecarei este fim de semana, dia 9de Novembro 2008 em Montalegre.
Apareca quando quiser nesta magnifica zona de caça à galinhola.
email : luis_miguel_novais@hotmail.com

Um abraço,
Luis Novais
Guimarães

Jorge Silva disse...

Não Luis, ainda não fui, apenas um companheiro já foi e já matou 2 e viu outra que errou, vou abrir no domingo, a ver vamos, pois entraram algumas mais cedo, mas ainda é muito cedo, como se costuma dizer, por São Martinho um raminho, pela Conceição um quarteirão, as entradas fortes só mais para o fim de Novembro.
Talvez posamos combinar uma jornada por essas bandas, onde nunca cacei...

João disse...

A mim também já aconteceu, somente uma vez e juro ainda hoje que lhe acertei. Foi em 2004, um inverno frio que considero memorável em termos de entradas, onde eu e um amigo cobramos no total 41 passáros. Tinha tido uma excelente manhã, 6 a 7 levantes e 3 galinholas cobradas. A 4ª foi mais esperta, tendo efectuado exactamente essa manobra. Tive aproximadamente 30m a procurá-la no meio de estevas velhas, mas como que por magia tinha-se evaporado. São lances como este que fazem desta ave algo de único. Boa caçada para Domingo Jorge, eu irei às "primas" das bicudas, as narcejas.

Jorge Silva disse...

Boas,
realmente 2004 foi um dos melhores anos de sempre de Galinholas, muitos de nós esperam até hoje de um ano igual.
Quanto ao atirarem-se para o tapete é algo tão fiel à realidade que por vezes teimamos em não acreditar.

João disse...

Irei fazer a abertura no dia 22. A adrenalina já aperta, mas não ainda não tenho tido relatos de algum abate ou levante por parte dos meus amigos. Também ando atento ao tempo na Rússia e acho que as temperaturas ainda estão algo amenas para o normal. Vou aguardar pelos seus relatos sobre Domingo com alguma ansiedade, confesso. Por falar em anos bons, também me recordo de 1998, ano em que matei a minha 1ª dama, curiosamente numa zona de pouco mato, junto a restolhos de arroz o que me surpreendeu. Sempre que por lá passo nas minhas incursões às narcejas, a minha atenção aos cães redobra e o ferro passa a pesar toneladas! Um abraço

Jorge Silva disse...

Nem sei o que esperar de Domingo, mas com “tanto” pássaro tão cedo foi mais forte que nós, a abertura marcada para dia 16 antecedeu uma semana. Tenho algumas expectativas pois por aqui já se mataram e viram pássaros é normal se tiverem entrado que estejam mais que uma juntas. Mas por norma estas primeiras são os machos e mais velhos, pois são os que viajam primeiro, são mais astutas e ásperas não dando muitas hipóteses a cães e caçadores.
Vamos ver, vamos falando aqui e relatando o que se vai passando.

João disse...

Combinado. Acho que finalmente teremos aqui um bom fórum de discussão, troca de experiências e ideias, que por certo irá aumentado de "membros becaderos" ao longos dos tempos. Mais uma vez bem haja pela sua iniciativa

Jorge Silva disse...

Espero que sim João, para ter pernas para andar é preciso apenas a participação de todos os "becaderos", historias e troca de conhecimentos são uma mais-valia que vai melhorar o Blog.
Acima de tudo trocar-mos ideias e experiências sobre esta caça.

João disse...

Boa noite Jorge. Como ando pela net, a descansar de um dia de perdizes de salto, não quis deixar de lhe desejar boa sorte para a abertura de amanhã. Estou certo que se vai divertir, eu só pela beleza das paisagens e o cheiro do pinhal, acho que vale sempre a pena. A minha abertura só acontecerá daqui a 2 semanas. Um abraço,

Jorge Silva disse...

Boas João e obrigado,
a abertura foi não mais que o esperado, as espectativas eram entre 0 e 1, tendeu para 1, abatida pelo meu companheiro de caça, domingo ha mais, pois não creio que entrem mais até 5ª, ainda é demasiado cedo.

luis novais disse...

Amigo Jorge,
Como lehe disse foi fazer a minha abertura no passado dia 9 Novembro em Montalegre.
Ao contrário do que já alguns caçadores disseram eu não vi nenhuma. Estive na zona da barragem de Sezelhe. De notar que os terrnos nos carvalhaais estavam ainda um pouco secos. Bicudas nem as vi. Lá para a frente lá voltarei ao mesmo sitio.
Embora as folhas dos carvalhos já cairem em força, falta um pouco de chuva e frio por estas zonas.
Domingo lá estarei numa outra zona claro.
Fiquem bem e um abraço,
Luis Novais

João disse...

Pelo menos viram uma, o que não é mau para início de época. Estou um bocadinho apreensivo, pois continuo a ver temperaturas amenas na Rússia e por aqui os terrenos estão bastante secos. Espero que tudo mude para o final deste mês, pois até dia 20 o panorama não é muito animador.Pode ser que entrem algumas na lua cheia a partir de dia 13.

LUIS NOVAIS disse...

João,

Eu também penso da mesma maneira, embora esta noite choveu muito por aqui o que ajudará a amaciar o terreno mais um pouco.
Esperemos então pela lua, espero ao mesmo tempo que o vento mude também.
Penso que em França se encontrará as milhares neste momento, prontas para seguir viagem até cá.
No entanto domingo lá irei outra vez a Montalegre.

luis novais